Confiavel

Seria sensato de minha parte, acreditar em tudo que meus olhos vêem, tudo que meus ouvidos escutam, ou tudo o que de uma boca saí? 


Meus olhos podem não enxergar o que realmente está sendo mostrado, meus ouvidos podem não escutar o que deveriam, e da sua ou minha boca, pode não sair tudo que realmente precisava. Então, não seria sensato de minha parte acreditar em meu próprio corpo? Em meus próprios sentidos? Poderiam eles ser cruéis a tal ponto de chegar a me enganar? Se nem ao menos posso confiar em mim mesmo, como terei alguma força pra acreditar em outro alguém?  
É a ilusão que me cerca, que me ronda, e nunca se vai. É algo que nos faz pensar quão falso podemos ser com nós mesmos, e quanto nosso poder de imaginação é grande. Para conseguir criar olhares inexistentes, sorrisos inexistentes, palavras inexistentes e até um sentimento inexistente. 
Deixo aqui algumas palavras pra você, sub consciente enganador: 
Eu não preciso mais de você aqui, me iludindo sempre. Pode ir, vá! E voe para outra pessoa que estava assim como eu, fraca. Sei que ainda não estou totalmente recuperada, mas sua presença em minha mente já me incomoda, e não mais preciso de você para contar minhas lágrimas. Não haverá mais lágrimas, não haverá tristeza! O meu período depressivo que você provocou, já chegou ao fim. Ah, mas não devo deixar de agradecer, a única parte boa de tudo isso, "erguer". Porque com todas essas recaídas que você me fez passar, aprendi que sei e que posso sempre recomeçar. Então agora pode ir, bata suas longas asas ilusórias para longe daqui, e faça com que aqueles fracos consigam ser fortes. Assim como eu. 
Adeus,
 falso e ilusório ajudante. 

Mesmo tendo o expulsado, ainda não me sinto totalmente confiante. Acho que nunca seremos cem por cento, não é? 
Consigo ver inúmeros sub conscientes ilusórios da minha janela nessa tarde chuvosa. A mira de um deles está sobre a sua cabeça, cuidado. 

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...